home > notícias

MUNDO

01/06/2020

Teatros municipais de Lisboa abrem de forma condicionada em junho e julho

Os teatros municipais de Lisboa vão abrir de forma condicionada nos meses de junho e julho, disse hoje à agência Lusa a Empresa de Gestão de Equipamentos e Animação Cultural (EGEAC).

O Cinema S. Jorge abre hoje, enquanto os teatros S. Luiz, Teatro do Bairro Alto e LU.CA vão abrir de forma condicionada ao longo de dois meses devido à existência de obras e à necessidade de adaptação de normas de segurança, acrescentou a empresa municipal que gere os teatros de Lisboa.

"Estamos a trabalhar no sentido de permitir que os espaços estejam em condições de acolher pequenos espetáculos ou permitir a gravação de espetáculos, além de toda a programação 'online', remunerada, que está em curso, como forma de viabilizar projetos", acrescentou a EGEAC.

Sobre as normas para abertura das salas de espetáculo devido à pandemia de covid-19, a EGEAC refere que os teatros municipais participaram no processo de recolha de informação e enviaram contributos que "em grande parte estão em linha com as normas que entretanto forma emitidas".

"Estamos porém ainda a analisar as mesmas [normas], uma vez que apenas foram conhecidas na semana passada", conclui a empresa municipal.

Teatros, salas de espetáculos e cinemas podem reabrir a partir de hoje, no mesmo dia em que é possível regressarem as iniciativas culturais ao ar livre, desde que sejam seguidas as normas definidas pela Direção-Geral da Saúde (DGS).

As regras para a reabertura das salas de espetáculo e para os espetáculos ao ar livre, divulgadas na semana passada pelo Ministério da Cultura e, depois, incluídas nas orientações da DGS, exigem máscaras, lugares marcados, definição de vias de entrada e de saída, limpeza e desinfeção das instalações e recintos.

Os organizadores de espetáculos e os titulares de salas têm de garantir "higienização completa (...), antes da abertura de portas e logo após o final de cada sessão", assim como "limpeza e desinfeção periódica das superfícies", de instalações sanitárias e de "pontos de contacto".

É obrigatória a utilização de máscara por parte do público e todos os espetáculos têm de ter bilhetes, em função da lotação máxima, incluindo os espetáculos ao ar livre, mesmo que gratuitos. A sua venda deve ser feita, de preferência, de véspera e por via eletrónica.

Nas salas só podem existir bilhetes para lugares sentados. Na mesma fila, os lugares ocupados têm de ser alternados, com um de intervalo (exceto se os espetadores forem coabitantes), e têm de ficar desencontrados em relação à fila seguinte.

Fonte: Notícias ao Minuto

 



NOTÍCIAS RELACIONADAS
22/09/2020
Federação das Câmaras Portuguesas de Comércio no Brasil tem novo presidente
21/09/2020
Pesquisadora brasileira descobre biografia de D. Pedro II escrita por Machado de Assis
21/09/2020
Panorâmico de Monsanto ganha obras de Arte Pública com 'selo' do Iminente
21/09/2020
Restauro da Igreja de Santa Isabel vence Prémio Vilalva da Gulbenkian
21/09/2020
Pandemia, ambiente e consciência ecológica na 5.ª edição do Lisboa Soa
21/09/2020
Escritor António Carlos Cortez vence Prémio Ruy Belo com 'Jaguar'