home > notícias

NEGÓCIOS E ECONOMIA

01/06/2020

Confiança da indústria aumenta 3,2 pontos de abril para maio, diz FGV [Brasil]

O indicador chegou a 61,4 pontos, em uma escala de zero a 200

O Índice de Confiança da Indústria, da Fundação Getulio Vargas (FGV), cresceu 3,2 pontos de abril para maio. Com o resultado, o indicador chegou a 61,4 pontos, em uma escala de zero a 200 pontos. Apesar da alta, o índice está no segundo menor nível da série, acima apenas do resultado de abril (58,2 pontos), e representa uma recuperação de apenas 7,4% da perda de 43,2 pontos observada entre fevereiro e abril desse ano.

Em maio, dez dos 19 segmentos industriais pesquisados apresentaram aumento da confiança.

O Índice de Expectativas, que mede a confiança dos empresários industriais no futuro, subiu 5,3 pontos, para 54,9 pontos. Já o Índice de Situação Atual, que mede a confiança no presente, cresceu apenas 1,2 ponto, para 68,6 pontos.

“Apesar da evolução relativamente favorável de indicadores como os de estoque, Nuci (nível de utilização da capacidade instalada] e produção prevista, ainda é cedo para concluirmos se o pior momento da crise ficou para trás. Para os próximos meses, o elevado nível de incerteza e de pessimismo em relação ao futuro podem colocar em xeque uma recuperação mais consistente da confiança”, afirma a economista da FGV Renata de Mello Franco.

O Nível de Utilização da Capacidade instalada teve aumento de 3 pontos percentuais e passou para 60,3% (segundo menor valor da série histórica).

Fonte: Agência Brasil



NOTÍCIAS RELACIONADAS
06/07/2020
Câmara aprova concessão de crédito para pequenas empresas [Brasil]
06/07/2020
Portugueses terão o sexto maior pacote de subsídios europeus para sair da crise [Portugal]
06/07/2020
Produção brasileira de petróleo cresceu 7,8% em 2019 [Brasil]
06/07/2020
Covid-19. Marcelo destaca segurança e confiança da Madeira [Portugal]
06/07/2020
Ministério aprova financiamentos de US$ 790 mi para projetos no Brasil [Brasil]
06/07/2020
Balança de pagamentos da zona euro com saldo de 1,7% do PIB [Portugal]