home > notícias

MUNDO

06/07/2020

Bienal de São Paulo adia edição deste ano para 2021 por causa da Covid

Esta é a segunda vez na história do evento, em que ele é adiado em um ano

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A Fundação Bienal de São Paulo anunciou, nesta quarta (1º), que adiará a sua 34ª edição para o ano que vem por causa da pandemia do novo coronavírus. Com isso, ela acontecerá entre 4 de setembro e 5 dezembro de 2021.

Esta é a segunda vez na história do evento, criado em 1951 e considerado o mais importante do calendário de artes plásticas do país, em que ele é adiado em um ano.

Isso também aconteceu com a 22ª edição da mostra, mas por razões mais simples –programada para 1993, ela foi transferida para 1994 para que passasse a ser realizada sempre em anos pares e, assim, não coincidisse com a Bienal de Veneza.

A decisão de agora vem depois do anúncio, em março, de mudanças bem menos radicais na programação. Então, a organização da mostra havia adiado a sua abertura de 5 de setembro para 3 de outubro deste ano.

Além disso, exposições individuais da paulista Clara Ianni e da fotógrafa americana Deana Lawson que antecederiam o evento principal no Pavilhão da Bienal, no parque Ibirapuera, nos meses de abril e de junho também haviam sido suspensas -um desses solos previstos, da peruana Ximena Garrido-Lecca, chegou a acontecer em fevereiro.

Com as substituições de agora, no entanto, os maiores efeitos devem recair sobre a estrutura pensada pelo time liderado pelo curador da edição, Jacopo Crivelli Visconti.Intitulada "Faz Escuro mas eu Canto", a Bienal pretendia se espalhar por museus e instituições de arte de toda a cidade por meio de exposições individuais dos mesmos artistas exibidos no Pavilhão.

Assim, afirmou Crivelli Visconti numa entrevista à Folha no ano passado, o público entraria em contato com a poética individual dos artistas ao mesmo tempo em que poderia, em outro lugar e contexto, ver como essa produção se articula numa mostra mais temática.

Agora, no entanto, a ideia é que esse "coro", nas palavras do curador, se torne um "poema escrito pouco a pouco", de acordo com a disponibilidade de cada uma das instituições parceiras. Desse modo, as exposições individuais que aconteceriam ao mesmo tempo que a mostra coletiva devem antecedê-la até setembro de 2021.

Fonte: Notícias ao Minuto

 



NOTÍCIAS RELACIONADAS
03/08/2020
Capital paulista recebe exposição drive thru com painéis gigantes
03/08/2020
Obra-prima de Vasco Pereira Lusitano no Museu Nacional de Arte Antiga
03/08/2020
Portugal destaca importância da conservação das obras de Malangatana
03/08/2020
Festa do Jazz em setembro a partir do CCB em Lisboa e transmitida online
03/08/2020
Teatro de Cabeceiras de Basto leva novo circo a todo o concelho
03/08/2020
Prémios Internacionais de Música Portuguesa com cerimónia virtual