home > notícias

ASSOCIADOS

28/07/2020

Declaração de Direitos do Negociador [Scotwork Brasil]

O último dia 4 de julho, (Feriado da Independência dos Estados Unidos) foi único em muitos aspectos: com acontecimentos especiais desde o fato da maioria dos americanos sendo forçada a voltar para o isolamento em meio ao aumento dos casos COVID-19, até os debates em todo o país sobre questões políticas e sociais complexas. Desnecessário dizer que não ocorreram os tradicionais churrascos no quintal, reuniões familiares e fogos de artifício que os americanos estão acostumados a fazer neste dia de festejos. Desviando a atenção da TV em que assistia ao evento americano, meu colega Brian Buck da Scotwork USA, teve uma inspiração, ele imaginou: E se pudéssemos declarar a independência das más negociações, como seria a Declaração de Direitos dos Negociadores? Aprecie a diversão.
 
Para que a “Declaração dos Direitos dos Negociadores” fosse elaborada foram emprestadas as palavras de James Madison, autor das dez primeiras emendas à Constituição dos Estados Unidos.  
 
Apresentamos, a seguir a “Declaração de Direitos dos Negociadores”:
 
Artigo I - Direito a negociações respeitosas
Os negociadores não devem estabelecer regras que desrespeitem os pontos de vista e opiniões da outra parte ou que proíbam a liberdade de expressão, ou o direito da uma parte negociar pacificamente e de solicitar à outra parte uma reparação de queixas.
 
Artigo II - Direito de desenvolver negócios valiosos
O direito do negociador de utilizar seu poder de alavancagem com o intuito de desenvolver acordos valiosos aos quais todas as partes possam aderir.
 
Artigo  III - O direito de não alterar o negócio acordado sem a concordância das partes
Nenhum negociador deve, durante a execução de um acordo negociado, e sem o consentimento da outra parte, alterar os termos do acordo.
 
Artigo IV - Direito a uma negociação honesta
O direito do negociador de garantir que as informações apresentadas sejam verdadeiras e baseadas em fatos, e que cada negociador mantenha o nível de decoro e honestidade necessários para não alterar de forma injusta ou desonesta o equilíbrio de poder de uma negociação.
 
Artigo V - Direito de corrigir ou esclarecer mal-entendidos
Nenhum negociador deve ter seu contrato rescindido ou cancelado, desde que seja capaz de corrigir ou esclarecer quaisquer dúvidas ou transgressões não intencionais, a fim de preservar a transparência do acordo firmado.
 
Artigo VI - Direito a uma negociação rápida
Em todas as negociações, os negociadores terão o direito a uma negociação rápida com uma pessoa qualificada da outra parte que possua a capacidade de negociar um resultado e tenha uma autoridade de tomada de decisão razoável; e nos casos em que a aprovação do negócio não seja possível somente por este negociador, a informação deve ser divulgada, antecipadamente, e a todas as partes.
 
Artigo VII - Direito de se fazer acompanhar de outras pessoas à mesa de negociações se for necessário
Todos os negociadores se reservam o direito de trazer outras pessoas para a mesa a fim de ajudar, apoiar, e agilizar o processo de negociação. Nenhuma parte deverá intencionalmente trazer para a mesa declarações ou pessoas inconvenientes e mal intencionadas capazes de agravar, intimidar ou produzir intencionalmente atrasos nas negociações.
 
Artigo VIII - Direito de não ser ridicularizado quando um erro é cometido
Penalidades excessivas não serão permitidas quando uma das partes cometer um erro na mesa de negociações, nem o comportamento ridicularizado ou objeto de sarcasmo infligido à outra parte.
 
Artigo IX - Direito de se concentrar apenas nas questões que importam
Os negociadores devem limitar-se no debate aos assuntos da negociação que compreendam somente o escopo da negociação, limitando assim o excesso de argumentação, agendas ocultas e outros assuntos não declarados da negociação.
 
Artigo X - Direito de negociar com aqueles que realmente podem fazer um acordo
Os negociadores têm o direito de fechar o acordo ou caso verifiquem que não é positivo terão o direito de interromper os trabalhos em qualquer ponto da negociação e terão o direito de negociar com aqueles que podem fazer o mesmo.
 
Proteja os direitos do seu negociador
Agora que você conhece os direitos do seu negociador, é hora de defendê-los. Nós podemos ajudar! Com 45 anos de experiência em negociações no mundo real, ajudaremos você a obter melhores negócios, economizar tempo e criar valor para todos os envolvidos - sem mencionar a preservação e o fortalecimento dos relacionamentos.
  
Brian Buck – CEO Scotwork USA / José Roberto Ribeiro do Valle – Presidente Scotwork Brasil 
 

 



NOTÍCIAS RELACIONADAS
20/10/2020
Avanços tecnológicos e transformação digital [Interactti]
20/10/2020
Webinar: Intercâmbio de Contabilistas Brasil - Portugal [Latourrette Consulting]
20/10/2020
EDP vai investir mais de R$ 500 mil na substituição da iluminação pública por LED no município de Montanha [EDP]
20/10/2020
BP - A Beneficência Portuguesa de São Paulo é reconhecida como um dos melhores centros de tratamento oncológico do mundo [BP - A Beneficência Portuguesa de São Paulo]
20/10/2020
A Importância da construção civil no desenvolvimento de um País [TD Construtora]
20/10/2020
Contribuinte Está Próximo De Vencer Julgamento Sobre Ágio Interno No TRF [BMA Advogados]