home > notícias

MUNDO

13/10/2020

Festival luso-americano Fabric Arts volta a Fall River com edição híbrida

De Lisboa e Ponta Delgada para Massachusetts, nos EUA, o festival Fabric Arts regressa a Fall River em 16 e 17 de outubro, numa edição "híbrida e dinâmica", que envolve artistas portugueses e mostras de artistas locais.

Pelo segundo ano consecutivo, a Casa dos Açores de Nova Inglaterra promove o festival Fabric Arts, com a curadoria de Jesse James e Sofia Carolina Botelho (Walk & Talk) e António Pedro Lopes (Tremor), numa edição que "procura inspirar uma narrativa que celebre e reflita o tecido urbano e social de Fall River, a sua herança industrial nas fábricas têxteis e o seu vínculo cultural profundamente enraizado com Portugal".

Cumprindo todos os requisitos de segurança a que a situação pandémica obriga, a organização traz uma "edição híbrida e dinâmica" que, entre 16 e 17 de outubro, "combina intervenções artísticas físicas e multidisciplinares no centro de Fall River [no estado norte-americano de Massachusetts], com experiências virtuais únicas", explicam, em comunicado.

O programa abrange uma vertente musical, que inclui uma atuação do saxofonista Chase Ceglie, gravada a partir de casa, que será disponibilizada 'online', mas também através de códigos 'QR' espalhados pela cidade.

Há ainda cinco concertos de 30 minutos, do programa Fados, Fadas e Violas, que foram gravados em Lisboa e em Ponta Delgada e "serão projetados no edifício da Câmara Municipal de Fall River".

Nesta vertente, surgem "artistas que trabalham em torno de formas de fado e do cancioneiro e instrumentos portugueses, que reinterpretam princípios de identidade, história e pertença", como os tocadores de guitarra portuguesa Ricardo Rocha e Ricardo Varela, ou o músico de viola da terra -- "o instrumento dos dois corações e 12 acordes, que é sinónimo de 'açorianidade'" --, Rafael Carvalho.

No cartaz musical cabe, ainda, "a poesia de Miguel Torga, com o poder da performance e harmonias de Patrícia Relvas e Roberto Afonso", com o projeto Lavoisier, e Fado Bicha, "um fado 'queer' inovador" com um "sentido de subversão das formas e letras tradicionais".

Na relação com o espaço, o Fabric apresenta "Come Walk With Me", três caminhadas performativas, desenhadas e orientadas "remotamente pelo coreógrafo e artista contextual Gustavo Ciríaco", em que, através de um workshop de zoom conduzido a partir de Lisboa, o artista "convida cinco participantes a mapear, de forma colaborativa, a cidade".

Com Ciríaco, é possível descobrir a cidade "através de antigos cartões-postais", em "Postcards from Fall River", embarcar numa "deambulação sensorial pela natureza, em "See Through My Voices, Smell Through My Eyes" e reimaginar as cascatas de Fall River na sessão "As Water Falls".

Serão também criadas três instalações 'site-specific' em torno do passadiço do rio Quequechan e um projeto gráfico inspirado na canção "Viva Fall River", do cantor Jorge Ferreira.

Os artistas locais emergentes cabem numa mostra com curadoria de Harry Gould Harvey, IV, na fábrica têxtil Merrow Manufacturing, que reúne trabalhos de Michael Assiff, Brittni Ann Harvey, Gregory Kalliche, Zachary John Martin, Susan Mohl Powers, Jeffrey Alan Scudder, Flannery Silva, Faith Wilding e Allyson Vieira.

Fonte: Notícias ao Minuto

 

 



NOTÍCIAS RELACIONADAS
19/10/2020
Museu de Arte Antiga mostra inédito de Almada Negreiros
19/10/2020
Museu da Imigração reabre ao público com nova instalação relacionada à pandemia
19/10/2020
Lisboa recebe terceira Mostra de Cinema do Brasil, este ano em drive-in
19/10/2020
Pinacoteca reabre hoje com exposição de dupla de artistas brasileiros
19/10/2020
Exposição da fotógrafa Paz Errázuriz pode ser vista em SP
19/10/2020
Festa do Fado estende-se por três fins de semana de outubro e novembro