home > notícias

MUNDO

10/11/2020

Projetos brasileiros de cinema em escolas abrem encontro em Viana do Castelo

A apresentação, através de videoconferência, de três projetos realizados e produzidos em comunidades escolares de vários graus de ensino do Brasil marcou nesta sexta-feira o início da vigésima edição dos Encontros de Cinema de Viana do Castelo.

Em causa estão os projetos promovidos pelo cineclube Joaquim Pedro de Andrade, em Belo Horizonte, pela Fundação Casa Grande – Memorial do Homem Kariri, no nordeste brasileiro, e pelo Entretodos – Festival de Filmes Curtos de Direitos Humanos de São Paulo.

A apresentação das iniciativas marcou a mesa redonda “Práticas de Cinema na Escola” destinada a promover a reflexão sobre “os diferentes aspetos que definem a realidade do cinema na escola, a introdução do cinema na sala de aula, a aprendizagem do cinema e as estratégias de ensino do uso do cinema na sala de aula”.

A mesa redonda, moderada por Isa Catarina Mateus, começou às 15:00 com a participação de Tetê Avelar, presidente do conselho nacional de cineclubes brasileiros e coordenadora do cineclube Joaquim Pedro de Andrade, Alemberg Quindins fundador da Casa Grande, e Manuela Sobral, cofundadora e curadora do festival Entretodos.

O debate que se seguiu à intervenção dos oradores convidados, moderado por Daniel Maciel, da organização, e que envolveu docentes portugueses e brasileiros, ainda decorria cerca das 19:00.

A vigésima edição dos Encontros de Cinema de Viana, organizados pela associação AO NORTE e pela Câmara de Viana do Castelo, esteve inicialmente prevista para maio, mas foi reprogramada.

O programa decorrerá até dia 27, numa versão “predominantemente ‘online'” e inclui conferências, prêmios, ‘workshop’s’ e filmes.

O Prêmio PrimeirOlhar é a secção competitiva que distingue trabalhos realizados por estudantes de cinema ou audiovisuais, provenientes de escolas de Portugal, Galiza, Brasil e outros países de língua portuguesa.

Os filmes candidatos ao prêmio poderão ser vistos ‘online’ e os vencedores serão conhecidos no dia 21, numa sessão moderada por Pedro Sena Nunes.

A vigésima edição do evento inclui ainda o festival de vídeo escolar, designado AÇÃO06! para os estudantes dos primeiro, segundo e terceiro ciclos de ensino básico e secundário.

Os trabalhos vencedores serão revelados no dia 11.

Já a sessão Trabalhos de Casa, que reúne projetos produzidos pela AO NORTE, inclui a apresentação, no dia 09, de quatro documentários realizados no âmbito do projeto internacional YEAD – Young European Audience Development.

No dia 12, serão apresentados os vídeos das Histórias na Praça, produzidos por alunos de Viana do Castelo, estando ainda prevista a estreia de quatro documentários produzidos no âmbito do projeto Alto Minho 4D, promovido pela Comunidade Intermunicipal(CIM) do Alto Minho.

Os XX Encontros de Cinema de Viana lançarão ainda o número 24 da coleção “O Filme da Minha Vida – BOTH SIDES NOW”, de Joana Mosi, a partir do filme “A Lagosta”, de Yorgos Lanthimos.

“O Filme da Minha Vida” tem como principais destinatários os interessados em BD e ilustração e os alunos do ensino secundário e superior.

A organização adianta que, devido à pandemia causada pelo novo coronavírus, “não serão dinamizadas nas escolas do concelho as habituais oficinas de literacia do cinema”.

Como alternativa será lançada uma plataforma na Internet, denominada VER+CINEMA, destinada a promover a literacia fílmica em contexto escolar.

Os conteúdos a disponibilizar têm como objetivo complementar e apoiar o visionamento de filmes em sala de cinema ou em auditório escolar.

Fonte: Mundo Lusíada

 



NOTÍCIAS RELACIONADAS
22/02/2021
Lima Duarte celebra 'Bem-Amado' e diz que Zeca Diabo continua no imaginário popular
22/02/2021
Museu de arte e educação de Siza e Castanheira é um dos Edifícios do Ano do ArchDaily
22/02/2021
As audio-coreografias para olhos fechados de Sara Anjo
22/02/2021
Exposição Degas - MASP
22/02/2021
Filipe Pinto faz canção e filme inspirados na "autenticidade" dos Açores
22/02/2021
Celebração do auge de Pelé, documentário na Netflix também expõe o Rei