home > notícias

MUNDO

07/12/2020

Três artistas apresentam obras sobre pandemia no Museu do Chiado

Uma exposição com obras de três artistas sobre contágio e direitos humanos, inspiradas no impacto da pandemia de covid-19, vai abrir ao público na quarta-feira, no Museu Nacional de Arte Contemporânea (MNAC), no Chiado, em Lisboa.

'Face à Vida Nua' é o título desta mostra, com curadoria de Emília Tavares, que aborda o atual momento disruptivo "de medo, insegurança e desigualdade" enfrentado pela humanidade, segundo informação do sítio 'online' do MNAC.

Na exposição, Luciana Fina apresenta um filme realizado no primeiro surto pandémico deste ano, em que se confronta com a devastação da paisagem natural por especulação imobiliária, "quando a pandemia parecia trazer uma nova esperança de repensar a sistémica agressão aos ecossistemas", segundo um texto do museu.

Por seu turno, João Pina fotografou, no Brasil, os habitantes de um dos mais emblemáticos edifícios modernistas de São Paulo, o Copan, construído em 1966, desenhado pelo arquiteto Óscar Niemeyer, que alberga cerca de 5.000 inquilinos.

"Nestes microcosmos da sociedade brasileira, revela-se uma complexidade social e económica endémica, mas também o mesmo desejo global de reinventar a existência", refere a curadoria da mostra sobre esta obra.

O artista Vasco Barata dedicou-se nos meses da pandemia à prática do desenho, dentro do seu espaço de trabalho, e, neste processo criativo, divagou sobre "as formas híbridas que simbolicamente nos habitam hoje, orgânicas, mutantes, erráticas", descreve a curadoria.

"Os trabalhos aqui apresentados são assim um exercício de comunidade, um ato de respirar em comum, face à 'Vida Nua', conceito formulado por Giorgio Agamben, um dos mais polémicos filósofos da atualidade", acrescenta ainda.

Este conceito remete para a apropriação política da vida de cada pessoa face ao estado de exceção, em que "muitos dos direitos adquiridos, pelo menos em democracia, são suspensos e existe uma captura do corpo pelo exercício do poder".

"É um território indistinto, em que o corpo biológico e o político se fundem e em que acontece a apropriação política da vida quotidiana de cada um. Mecanismo que pode, e tem sido exercido, tanto em regimes ditatoriais como em democracias", acrescenta.

Remetendo ainda para o campo da filosofia, a curadoria alerta: "O seu perigo, a sua intrínseca violência, como afirmava outro importante filósofo, Walter Benjamin, em plena ascensão desse outro estado de exceção que foi o nazismo, é que nestes estados de exceção, de que a pandemia é agora a causa, a existência fica fora do direito, tornando-se uma vida exposta, destituída, ou limitada, de direitos pelo próprio direito".

A exposição 'Face à Vida Nua' ficará patente no MNAC até 23 de janeiro de 2021.

Fonte: Notícias ao Minuto

 



NOTÍCIAS RELACIONADAS
18/01/2021
Lisboa Capital Verde: Prémio de fotografia promove talento de estudantes
18/01/2021
Universidade Nova de Lisboa passa a aceitar Enem para ingresso de brasileiros
18/01/2021
Prémio Virgínia Quaresma atribuído a Eduardo Lourenço e Sara Maia
18/01/2021
Maior monumento megalítico de Portugal com zona especial de proteção
18/01/2021
Setúbal criou a Casa das Imagens com doação de Lauro António
18/01/2021
Teolinda Gersão celebra 40 anos de carreira literária com novo livro