home > notícias

MUNDO

14/09/2020

Artista americano JonOne estreia-se em Lisboa com exposição inédita

O artista norteamericano JonOne vai apresentar a primeira exposição individual em Lisboa, com obras inéditas, concebidas para o espaço da Galeria Underdogs, que é inaugurada na sexta-feira, a par da produção de uma obra de arte pública.

'The Border', que estará patente até 24 de outubro, foi especificamente concebida para este espaço da Underdogs, onde o artista irá apresentar também uma sessão de pintura improvisada ao vivo, juntamente com a produção de uma obra de arte pública na capital, e o lançamento de uma edição artística limitada, segundo a organização.

Desde 1985, JonOne tem vindo a expor regularmente a sua obra em muitas galerias e instituições de Nova Iorque, Los Angeles, Paris, Zurique, Berlim, Roma, Bruxelas, Londres, Moscovo, Seoul, Pequim, Xangai ou Hong Kong, entre outras cidades.

As raízes da prática artística de JonOne residem no seu passado, no meio pioneiro do 'graffiti' em Nova Iorque, no início da década de 1980, assinala a galeria, na apresentação da nova exposição.

JonOne apresentará uma exposição dividida em dois cenários complementares: um que ocupa o espaço da galeria de forma mais convencional, com um conjunto tradicional de pinturas sobre tela; noutro estabelece um contraste com uma série de instalações.

Uma delas inclui um veículo Piaggio Ape vandalizado e uma rampa de skate, montada numa parede com skates pintados, assim como pinturas num formato livre sobre variados suportes, incluindo as paredes e o chão, "criando uma espécie de harmonia dissonante que procura envolver o observador a fundo no mundo do artista" de 57 anos.

"O ato de escrever repetitivamente o seu nome, o seu tag, como essência expressiva da sua identidade pessoal e criativa, forma a base da sua obra. Um ato que capta para a posteridade a fisicalidade e o ímpeto contidos no gesto performativo dinâmico que se encontra por trás do seu improvisado e altamente energético formato de pintura caligráfica, um formato que substancializa em pinceladas cruas um obsessivo e repetitivo ritmo hipnótico que joga com a memória e o passado, causa e efeito", descreve a organização.

O resultado aparentemente abstrato da pintura de JonOne exprime as suas origens, a sua história e experiência pessoais, em obras que "são testemunho da sua própria liberdade artística radical, da sua sensibilidade fervorosa e poética, do movimento e velocidade que o moldaram como vândalo criativo, formando um palco onde encena a estética da luz, da cor e da vitalidade".

Nascido em 1963, JonOne é um artista norte-americano de origem dominicana que cresceu no Harlem, em Nova Iorque, e que se fixou em Paris em 1987.

Iniciou o seu percurso no 'graffiti', tendo-se depois tornado um artista autodidata, com foco na pintura.

Mesclando influências da sua experiência de vida com a cultura urbana e a pintura moderna - incluindo o expressionismo abstrato e pintores como Jackson Pollock ou Jean Dubuffet -, desenvolveu uma linguagem própria "colorida e abstrata caracterizada por pinceladas dinâmicas, gotas e padrões que primeiro ensaiou na arquitetura e infraestrutura da cidade".

No âmbito do programa expositivo do espaço Underdogs Capsule -- que funciona em articulação com o da Galeria Underdogs - os artistas que expoem na Galeria convidam outros artistas a expor em simultâneo na Capsule.

JonOne convidou o artista francês Espack a apresentar o seu trabalho, também com historial no ´graffiti´, e cuja obra assenta no estudo da cidade.

Fonte: Notícias ao Minuto

 



NOTÍCIAS RELACIONADAS
22/09/2020
Federação das Câmaras Portuguesas de Comércio no Brasil tem novo presidente
21/09/2020
Pesquisadora brasileira descobre biografia de D. Pedro II escrita por Machado de Assis
21/09/2020
Panorâmico de Monsanto ganha obras de Arte Pública com 'selo' do Iminente
21/09/2020
Restauro da Igreja de Santa Isabel vence Prémio Vilalva da Gulbenkian
21/09/2020
Pandemia, ambiente e consciência ecológica na 5.ª edição do Lisboa Soa
21/09/2020
Escritor António Carlos Cortez vence Prémio Ruy Belo com 'Jaguar'